Ser ou não ser.



Ser ou não ser, eis a questão: será mais nobre
Em nosso espírito sofrer pedras e setas
Com que a fortuna, enfurecida, nos alveja,
Ou insurgi-nos contra um mar de provocações
E em luta pôr-lhes fim?


A famosa frase vem da peça "A tragédia de Hamlet, príncipe da Dinamarca", de William Shakespeare.
Encontra-se no Ato III e é muito usada como fundo filosófico profundo.
A frase é perfeita, como sempre Shakespeare é implacável nos diálogos fortes e que fazem pensar.
Assim como Hamlet, que estava atormentado com a idéia de vingar a morte de seu pai, e com seus dilemas pessoais, tenho eu pensado a respeito do "ser ou não ser".
O que é mais fácil? Ser o que os outros querem ou sermos nós mesmos?
Como disse Hamlet, " sofrer pedras e setas... ser atingido, quieto? Ou insurgi-nos contra um mar de provocações, com luta? Lutando para defender aquilo em que acreditamos, dizendo tudo e fazendo aquilo que nosso "eu" verdadeiro manda?
Claro, isso é no sentido figurado.
Mas e hoje em dia, porque então que tanta gente tenta ser algo que não é?
A vida esta realmente doida, as pessoas na ânsia de serem aceitas, seja em um grupo social, seja no trabalho, na família, nos relacionamentos, se sujeitam a serem "outros" porque assim é mais fácil, conveniente.
Eu mesma já ouvi isso muitas vezes.
"Renata, tu não pode falar tudo que vem na tua cabeça! Corre o risco de ficar sozinha!" ou então, "não seja tão impulsiva, não faça tudo que teu coração manda, se expor demais não é bom, as pessoas conhecem tuas fraquezas, e isso é péssimo!"
Pois é, e eu, sempre pago para ver! Eu sou assim.
Não crio personagens, só isso. Essa palhaçada de ser aceito é ridícula. Quem gosta da gente vai gostar de qualquer jeito.
Claro, com limites, é lógico, não da também para sair por ai dizendo e fazendo tudo o que vem pela cabeça, isso não é ser sensato, é doidera, mas sempre tem um jeito, só o que esta morto não muda.
Eu ajo de acordo com meu coração, todo o meu corpo trabalha junto com meu cérebro, eles são um todo. Não separo sentimento de razão.Mesmo sabendo que as vezes deveria.
Ser ou não ser, eis a questão... eu escolho ser "Eu"... com luta.
Aquela que grita,que fica com raiva, que chora, que ri, que brinca, que se magoa, que te odeia e no minuto seguinte te ama, que fica feliz com um simples email, que chora até com propaganda de margarina e supermercado, e que faz de tudo para ver alguém feliz mesmo que esse alguém não mereça tanto assim.
Essa sou eu... e é essa que escolho para passar o resto da vida comigo.

 
 
 
 

Postar um comentário 1 comentários:

Edson Marques disse...

Gostei do que você disse: "não separo sentimento de razão".

Eu também.

No blog Mude você comentou que "ser livre demais é doloroso".

Mas também é gostoso demais!


Abraços, flores, estrelas.

15 de maio de 2008 09:49

Postar um comentário