Fuja de pessoas perigosamente normais...

Edson Marques

* Eu fujo sempre.

 
 

Tô a dois dias tentando achar um tema pra postar.
As idéias meio que fugiram, e não to afim de escrever sobre nada grudento, triste, amargo.
Aliás sempre digo que não vou escrever nada assim, e me contradigo, com algum texto pseudo-emo, cheio de palavras sombrias e com duplo sentido.
Chega dessa droga. Nem me reconheço as vezes. Ta certo que minha natureza destrutiva (em alguns casos) me levam a sofrer demais e fazer um baita drama. Que ridiculo, e pior que me dou conta da situação.
Enfim, como não tinha um tema, ando numa crise criativa, (jura né, té parece escritora) vamos as lengas da minha nadamolevida.

Semana cheia de curiosidades, uma enxurrada de pianos( acho que ja falei nisso exaustivamente) mas é que foi uma situação surreal, 5 pianos em uma semana chegando aqui no meu trabalho, teve um dia que quase surtei! Mas no fim tudo certo, só que quase to pedindo licença pra eles, da nada.
Dois dias no mesmo buteco com companhias diferentes, mas não menos importantes, todas muito legais no seu contexto.
Uma coisa muito loca, (e eu quase não gosto do que é loco) que surgiu no findi maravilhoso que passei na casa de uma amiga igualmente maravilhosa, alias findi que merecia um post especial até.
Só diversão! Rever amigos é mesmo tudibom! O ruim é a hora de ir embora, da um aperto no peito...
Vinho, pizza, carreteiro na noite, passeios na madruga, com direito a corrida pra chegar em casa.
E o mais inusitado, acordadas até as 6h30 da manha... fazendo o que? bom quem tava la sabe!
E desse findi uma descoberta muito legal, que to adorando....
E a vida ta caminhando, mais calma...eu mais calma.
E o resto a gente leva...ainda bem né???

 
 


Sexta-feira.O melhor dia da semana.
Findi se aproximando, a semana foi puxada, ainda bem que terminou.
Engraçado que quando as coisas tem que mudar, muda tudo de uma vez só... nunca aos pouquinhos.
Não sei se é bom ou ruim. Mas que é doido é.
Enfim, viagem no findi, rever amigos, e curtir um pouco fora da Capital.
Não esquentar e deixar o resto por conta "Dele".
O importante é não perder o bom humor. Porque tudo é assim: - Simples como a vida!
*Adoro essa frase!!!!

 
 



Hoje um dia meio cinza, meio chato, meio aguado, meio meia boca.

Quase se arrastou, no vai e vem dos pianos, dos violinos, os vidros embaçados, e aquele som perdido pela casa, a caneca de chá quente, o computador ligado em uma página qualquer que nem lembro, tudo bem, nem tava interessada mesmo.

Uma conversa morna, com um sotaque indefinido, e meus pensamentos iam longe, tão longe, que quase me perdi no meio deles. Uma risada, e uma parada pra pegar a caneca de chá.

Despedidas, e o som dos violinos tomam forma novamente.

Meu pensamento volta a se perder, uma música, e lembranças que me fazem sorrir, apesar de tudo.

Fim do dia, um mar de guarda-chuvas coloridos, e pessoas sem rosto.

Os fones nos ouvidos me fazem viajar, e ir onde só eu posso chegar.

Chegando em casa, a melhor surpresa do dia. Em meio a tantos cinzas, e sons arrastados, um sorriso cor de rosa e um beijo com gosto de pipoca.

Tudo se ilumina, e volta a ser como deveria, risadas alegres, abraços quentes, cheiro de biscoito e gengibre. E o doce som de palavras feitas pra guardar no coração.

A vida sempre deveria ser assim. Como balões soltos no ar.

 
 



Me pergunto todos os dias, porque cargas d’água o estúpido do ser humano só de da conta das coisas que fez ou das que deixou de fazer, somente depois de tudo já ter virado uma merda completa (desculpem pelo termo), mas é verdade.
Ontem, terça-feira a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre fez seu último Concerto naquele que foi sua sede por 24 anos, o Teatro da Av. Independência, antigo Teatro Leopoldina, atual-ex Teatro da OSPA.
Por 8 anos a OSPA tem sido quase que minha segunda casa, comecei como estagiária, me formei, inclusive a referida Instituição foi o tema da minha monografia, e ainda estou aqui, no terceiro governo, (porque pra quem não sabe a OSPA é uma Fundação mantida pelo Governo Estado do RGS) e como todos que trabalham aqui tentando manter tudo isso de pé.
Essa Orquestra que se mantém na ativa por ininterruptos 58 anos, por descaso, burocracia, falta de vontade , ou sei lá o que, ainda não tem seu Teatro próprio, o que é uma lástima para a população, e para todos que como eu tentam mantê-la viva.
Aqui fiz muitos amigos, pessoas que sei vão permanecer muito tempo comigo, e aprendi muita coisa também, nos Concertos, com os músicos, nas viagens, nos ensaios, um mundo novo que me foi apresentado, e que agora está passando por uma crise.
Então, comecei o texto falando do que as pessoas fazem ou deixam de fazer, porque especialmente ontem, a casa estava lotada, nossa Orquestra fez um Concerto memorável, e eu digo isso, porque executou, sob a batuta do nosso Diretor Artístico Mto.Isaac Karabtchevsky, uma das peças mais difíceis que uma Orquestra pode apresentar, se não a mais difícil, palavras proferidas pelo próprio Maestro, o Poema Sinfônico "Vida de Herói" de R. Strauss.
Foram aplaudidos de pé por quase 10 min, e eu confesso que em várias partes da peça, me emocionei, pela garra e maestria dos músicos que tocaram divinamente, tanto nos solos, como no conjunto, e nesses 8 anos em que assisti a diversas apresentações digo com certeza, que foi uma das mais brilhantes. Perfeito!
Aí, chego ao ponto crucial de toda a minha explanação, porque esperamos chegar ao limite das situações para dar valor ao que possuímos, e as vezes chegamos ao ponto de perder tudo, para então enxergar o quão importante era aquilo para nós?
A OSPA sempre esteve ali, durante todos esses anos, realizando Concertos semanais em Porto Alegre, pelo Interior, lutando para se manter na ativa, e manter a qualidade de seus músicos, e havia Concertos em que não chegávamos a 300 espectadores, para um Teatro com capacidade para 1240.
E ontem, casa lotada! Segundo as palavras do meu amigo e Inspetor da Orquestra Fábio, 1300 pessoas compareceram ao Teatro, muitos jornalistas, figuras importantes, políticos, uma infinidade de fotógrafos, todos sensibilizados com a situação, tudo bem, era pra ser assim, mas precisava chegar onde chegou?
Estamos na luta ainda, os Concertos irão continuar semanalmente, no Teatro do Bourbon Country, no Interior do Estado, e em Igrejas e espaços culturais da Capital, e esperamos, é claro, que as questões burocráticas para o inicio das obras do nosso Teatro, se resolvam o mais rapidamente possível.
Nada ainda está definido, eu espero que depois de ontem, as autoridades dêem o devido valor, e simplesmente não fiquem só nos aplausos, e nos discursos acalorados de despedida, enobrecendo os feitos de uma Orquestra que à tanto tempo emociona as platéias do nosso Estado, e que já foi considerada uma das melhores do Brasil.

 
 

Assim como o andarilho tem que afastar-se da cidade para perceber a altura das suas torres, eu também devo às vezes afastar-me de quem amo — só pra perceber o tamanho desse amor...

Edson Marques

As vezes mesmo parecendo difícil, é a melhor opção, senão a única.