Hoje um dia meio cinza, meio chato, meio aguado, meio meia boca.

Quase se arrastou, no vai e vem dos pianos, dos violinos, os vidros embaçados, e aquele som perdido pela casa, a caneca de chá quente, o computador ligado em uma página qualquer que nem lembro, tudo bem, nem tava interessada mesmo.

Uma conversa morna, com um sotaque indefinido, e meus pensamentos iam longe, tão longe, que quase me perdi no meio deles. Uma risada, e uma parada pra pegar a caneca de chá.

Despedidas, e o som dos violinos tomam forma novamente.

Meu pensamento volta a se perder, uma música, e lembranças que me fazem sorrir, apesar de tudo.

Fim do dia, um mar de guarda-chuvas coloridos, e pessoas sem rosto.

Os fones nos ouvidos me fazem viajar, e ir onde só eu posso chegar.

Chegando em casa, a melhor surpresa do dia. Em meio a tantos cinzas, e sons arrastados, um sorriso cor de rosa e um beijo com gosto de pipoca.

Tudo se ilumina, e volta a ser como deveria, risadas alegres, abraços quentes, cheiro de biscoito e gengibre. E o doce som de palavras feitas pra guardar no coração.

A vida sempre deveria ser assim. Como balões soltos no ar.

 
 
 
 

Postar um comentário 0 comentários:

Postar um comentário