Estranha hoje.
Um daqueles dias que devia ter ficado em casa...Dormi mal, acordei tarde, perdi a lotação, e as duas que vieram logo em seguida, lotadas, resultado, atrasada.
Um dia quente e abafado, quente demais para inverno, resultado, chuva no fim do dia.
Bom, ja deu pra notar que hoje realmente estou meio azeda.
E não gosto de ficar assim, principalmente porque chego a conclusões que não me agradam muito, penso, logo existo.
Tem um lado meu que me orgulho muito, sei que passo uma certa confiança nas pessoas, e não são poucas que me tornam suas confidentes.
Gosto disso, gosto de saber que as pessoas confiam em mim, e que até seus sentimentos e atitudes mais secretos me são revelados, e não são poucas não.
Já tentei saber o porque, será meu jeito, minha espontâneidade, não sei... mas sei que guardo tudo, ouço com atenção, ajudo no que for preciso, e não me importo de em qualquer hora estar disponível, afinal, amigos são pra isso.
Ja fiquei triste algumas vezes, por certas pessoas só me procurarem quando precisam desabafar, mas tudo bem, são ossos do ofício, vai ver é algum karma meu... rs
Só que eu gostaria que isso fosse uma via de mão dupla, não de mão única... muito bom falar, mas ouvir quando chega a hora, nem sempre é bom, não se tem paciência, se crítica, se dá pouca importância, em algumas situações até se esquece o que foi contado.
Dramas a parte, nem to afim de fazer, isso me incomoda, não vou deixar de estar presente pra quem realmente merece, mas vou selecionar mais meus ouvidos, e começar a prestar mais atenção em quem realmente esta interessado na minha amizade, ou no meu tempo de escuta.
Li um texto muito legal em um blog ontem, no texto era proposto um exercício, se você tivesse um dia de vida, o que faria?
Muito interessante a pergunta, faria tudo aquilo que tem vontade? Comeria as iguarias mais estranhas, faria aquela loucura que a muito tempo tava com vontade de fazer... faria um filho? Seria um filho melhor?
Sairia mais, viveria mais, amaria mais! sem regras, sem pudores, sem contra indicações, simplesmente viveria tudo...
Eu, tenho na minha cabeça tudo o que eu faria, se bem que nunca deixei de fazer nada, por medo ou algo parecido.
Mas uma coisa tenho certeza, seria sempre a mesma, sem máscaras e gêneros, pra agradar quem quer que fosse, e posso garantir, que quando escolho minhas amizades, e coloco-as como prioridade, é assim que vou tratá-las, sempre.

 
 
 
 

Postar um comentário 0 comentários:

Postar um comentário