Foi chegando de mansinho, tomando o lugar que lhe era de direito.
Com toda a calma do mundo, falou, tocou, cheirou, mordeu, sua vida agora dependia daquilo, tudo era novo, como se nunca tivesse existido antes daquele momento, sentiu que todo o tempo que esteve vivo, era à espera daquele instante.
Queria mais, queria tudo. Não se contentava mais com o pouco com que estava acostumado, agora sabia o que era ser feliz, sabia o verdadeiro significado da palavra prazer.
E se manteve ali , ouvindo sua respiração, seu coração palpitando, inquieto, vivo e Feliz.
Feliz pelo simples fato de estar naquele lugar, vivendo aquele momento.
Se morresse naquele instante, morreria feliz.

Isso era viver. Agora sabia o que era viver.

Qualquer coincidência é pura semelhança.

 
 
 
 

Postar um comentário 3 comentários:

Celia Rodrigues disse...

Uma multidão de possibilidades me invadiu a imaginação...

29 de setembro de 2008 15:12

Fê Zembrzuski disse...

LINDOOOOOO!
Bahhh, põe multidão nisso!!
E agora... na Era ALEGRIA ALEGRIA, uiuiui! VIVAAA sempre!
Bem-vindos sejam os momentos de prazer!
Beijos infinitos... amo tu amiga!
PS: Saudade do 'chimas com divagações' no ap!

30 de setembro de 2008 12:02

Ciça disse...

Olá Renata! Belas e sábias palavras.

Sim, concordo, é na simplicidade dos momentos mais íntimos que descobrimo-nos...

A vida é bela, mto bela!

Beijos

30 de setembro de 2008 20:58

Postar um comentário