Não sou santa. Nunca fui, e nem tenho a pretenção de ser.

Minha vida sempre foi regida por mim, minhas emoções e por ELE lá de cima.

Meu coração é meu guia sempre, e mesmo quando ele tenta me passar a perrna, me induzindo à loucuras, eu escuto, ou me faço de surda. (esta última opção, normalmente é esquecida)

Dificilmente me arrependo de algo, e acho que a vida é mesmo para ser vivida, sem arrependimentos ou convenções, que na maioria das vezes só trazem amargura.

De que adianta ser livre, e não saber usar a liberdade de uma forma sadia, e deliciosamente pecaminosa?

Felizes os que sabem viver a vida plenamente, mesmo sendo tachados de loucos.
Eu, não me importo nem um pouco.
Porque loucos como nós, não morrem nunca.... vão sempre estar na imaginação, na memória e nas fantasias de muita gente.
E isso... não tem preço.


 
 
 
 

Postar um comentário 2 comentários:

Alisson da Hora disse...

Os loucos, de verdade, são imagens indestrutíveis na mente da humanidade média (média de "mediocridade", mesmo); e sempre têm que lutar contra/com a responsabilidade de sua solidão. E sempre se questionar ante à sua própria liberdade. Mas nunca abrir mão dela.

obrigado pela visita...

beijo

15 de outubro de 2008 10:56

Layla Lauar disse...

eu sou meio reticente quanto a dizer se sou louca ou se alguém o é..proque os loucos são sempre os que estão do outro lado, que pensam diferernte da gente.

me dou o direito de fazer as minhass próprias escolhas, sejam elas certas ou erradas, tb não me arrependo de nenhuma... fiz o que achei melhor para mim na hora...

muito bom seu texto..adorei a leitura.

(me mande seu email..laylamg14@gmail.com ..já estou com 3 modelos de templates prontos e quero enviá-los procê...)

beijos mil

16 de outubro de 2008 13:35

Postar um comentário