Então... mais um sumiço.
Realmente minha vida ta meio doida, deixei o blog as traças... e não pensem que me orgulho disso.
Claro que não.
Não tenho escrito, não tenho mais lido os blogs dos amigos... tsc tsc relapsa total.
As férias me tiraram totalmente do ritmo, admito que fiquei mais preguiçosa, mais deixar a vida me levar sabe.

E uma coisa é certa, aquela frase que um amigo disse certa vez, ( não vou lembrar o nome da pessoa que escreveu) que "Ostra feliz não produz pérolas..." é muito certa.


Não gosto de acreditar que só escrevo melancólica, ou triste, mas acreditem ou não, é verdade.
Tenho um conto praticamente acabado, e não consigo terminar... aff
Mas hoje vou retornar, (mais uma vez).


Amigos me desculpem, vocês que sempre arrumam um tempinho em suas vidas para ainda darem uma olhadinha no meu espacinho. Paciência comigo... rs que eu sempre volto.




 
 


Tento, incansavelmente controlar minhas emoções, meus anseios, meus sentimentos, minhas dúvidas, mas eles são mais fortes que eu, me arrebatam, me corroem, me insultam com seus devaneios, me confundem com suas artimanhas.
E como uma dança hipnótica, colocam-me no centro da minha vida, tendo a volta um sem fim de emoções que me deixam atordoada e confusa.
Muitas vezes me sinto fraca, com vontade de parar, de desistir, mas meu sangue ferve, minhas veias pulsam, meu corpo vibra, sei que sou mais forte, mas tenho vontade de largar tudo.
Em alguns momentos de nossas vidas, escolhemos os caminhos mais tortuosos, mais difíceis, preferimos as lágrimas, as tristezas, às dúvidas, sendo que na maioria das vezes está tudo tão claro, bem na frente de nossos olhos.
Não tenho a pretensão de acertar sempre, não sou perfeita, mas também não tenho medo de errar, ultimamente tenho cometido alguns erros imperdoáveis em relação a algumas pessoas, algumas dei demasiada atenção, mesmo sabendo que não mereciam, outras não dei o carinho que naturalmente lhes eram de direito, e tenho consciência disso.
Hoje é dia 17 de janeiro, faltam 3 dias para o meu aniversário de 34 anos, não sei bem o que sinto, nos últimos dias muitas coisas aconteceram, como se toda minha existência tivesse sido resumida em algumas semanas.
Foram tantas coisas, tantas novidades, tantas situações, que confesso, fiquei assustada.
Nesse ano que agora ta começando, minha única resolução era não prometer nada, não planejar nada, deixar que tudo fluísse, que a vida se encarregasse de me mostrar o caminho certo, mas não foi bem assim, não sei se porque, inconscientemente, eu acabo sempre escolhendo, o caminho errado, mas escolhendo.

Na verdade não tenho certezas, tenho caminhos, não tenho tristezas, tenho experiências, não tenho a verdade absoluta, mas o desejo de acertar... sempre.

 
 


Tem coisas que não temos como explicar.

Uma amizade imediata, uma paixão a primeira vista, um arrepio que vem sem sabermos porque, uma atração incontrolável, uma alegria repentina, o choro que vem sem pedir liçensa, a saudade de algo que não conheçemos, uma música que emociona ...

Alguns sentimentos são inexplicáveis, e mesmo que quisessemos, acredito que não teria como defini-los.

Passamos a vida inteira tentando entender tudo, sentimentos, situações, palavras, ações, e porque?

Se as coisas mais importantes sempre são aquelas que não conseguimos nem entender nem tocar, são nossos sentimentos, nossas crenças, nossos sonhos.

Existem pessoas que não se interessam e nem se preocupam com isso, e acredito até, que muitas passem suas vidas sem nunca perceber o quanto isso é importante e fundamental.

Muitas vezes me perco no labirinto que são meus sentimentos, mas sempre me encontro, e essa é a parte mais prazerosa de tudo isso.

Não me importo de perder algum tempo nessa busca, porque sempre haverá um final, por mais demorado e tortusoso que ele seja, ele sempre vai estar lá.

 
 


Bom... 2009 chegou com tudo.


De férias, meio afastada eu sei, mas agora voltando.

Com uma vontade insana de viver, de sentir a vida, que parece, ressurgiu nova, límpida e cheia de surpresas.

Quero beijos apaixonados, noites quentes, carícias profundas, palavras sinceras, dias claros, pés descalços, danças hipnotizantes que me façam perder os sentidos.


Tudo que eu desejo cabe na palma da minha mão, e não é muito.


Minhas veias precisam de sangue novo correndo nelas, e isso... ja tenho.