Afinal. O que é o amor?
É algo que sentimos? Que vivemos? Que escolhemos?



Que queima o corpo a alma, que faz tremer no calor e suar no frio.
Não podemos explicar quando ele chega, e nem tão pouco quando ele vai.
Pode surgir do nada, de onde menos esperamos.
Sem ele nos sentimos perdidos,e quando finalmente o temos em nossas vidas, simplesmente o abandonamos ou viramos as costas cruelmente,em alguns casos fingimos que ele não está lá e o deixamos em um canto qualquer.

E porquê?

Acredito que o amor é para poucos, é para corajosos que possuem a impetuosidade para sentir tudo,viver tudo, sem reservas, sem convenções, sem restrições...

E principalmente, sem vergonha de demostrar isso.

Mas falo de amor verdadeiro, não das paixonites que diariamente aparecem em nossas vidas.

Não as acho ruins, elas servem para muitas coisas, uma delas inclusive,na minha opinião, nos preparar para algo maior.

Já falei algumas vezes sobre o tema, e nem quero ser piegas tentando explicar algo que não precisa ser explicado, não precisa ser teorizado, não precisa ser entendido.
Palavrinhas doces, melosas, tentativas vãs de demonstrar algo, que muitas vezes somente um olhar pode dizer.


É louco? Faz perder a razão, os sentidos? Sim. Digo que sim.


Tudo tem sido uma surpresa na minha vida nos últimos meses.
E assim espero que continue sendo...
Não quero dias cinzas,saudações forçadas, não quero lembranças amargas e muito menos sorrisos sem graça.
Não quero discussões sem motivos, abraços sem emoção.


Não quero um amor pela metade,não quero amar pela metade.

Quero sentimento e emoção.

E quero que venha naturalmente... do coração.









 
 
 
 

Postar um comentário 7 comentários:

Tata disse...

Oi Re,

Concordo com vc, coisas pela metade, mais ou menos, não fazem sntindo nenhum. São completamente insossas!!

As paixonites são boas para massagear o ego, elevar a auto-estima, o amor de verdade, quando a gente percebe, já está dentro dele, ele já entrou por todos os poros e sem pedir licença.

bjinhos

13 de agosto de 2009 15:35

Sun disse...

Pois é. É impossível amar pela metade, e olha que eu já tentei.

Terás surpresas maravilhosas, meu amor, acredita.

beijo grande

13 de agosto de 2009 15:45

Rosemildo Sales Furtado disse...

Oi amiga! Aí está uma verdadeira definição do que é realmente o amor. Existem pessoas que ainda confundem amor com paixão, muito embora, às vezes o amor resulta de uma paixão.
Beleza, adorei o texto. Parabéns!

Beijos,

Furtado.

13 de agosto de 2009 17:06

Érica disse...

Não há definições. Impossível.
Ando meio desapontada com esse tal ai. rsrs...
Beijos linda, muito obrigada por teu carinho de sempre.
Adoro você!

13 de agosto de 2009 17:40

Menino Poeta disse...

É isso ai minha querida, deixe que ele venha naturalmente, quando menos você esperar você estará amando alguém que vc menos imaginar! E olha que pode ser o seu pior inimigo. rs

13 de agosto de 2009 19:45

...... disse...

Seu desejo é uma ordem! Diz o universo que conspira a seu favor...

O ilustre estado que não pode ser capturado pela pegajosa teia da razão, por não possuir a ninguém, seiva que se anuncia na ausência da dualidade inquiridora do pensar, cuspida na face indefesa em momentos de vulnerabilidade egoica, coisa de sentir, a qualquer hora, em qualquer lugar, por alguém que desencadei isso em potencial por ser rara e especial, tudo é forma de amor, é para onde tudo se reverte inexoravelmente, e vc tambem faz parte disso,não há escapatória,rs, beijos!

13 de agosto de 2009 21:17

Jacque e Phiorella disse...

IRÁ AMAR POR INTEIRO! SÓ NÃO PERMITA QUE TE AMEM PELA METADE...
TE ADORO GURIA
BJAO

18 de agosto de 2009 14:02

Postar um comentário