O que move um ser vivo de mesma espécie a abater outro, sem dó nem piedade?

Porque o amor é isso,um abate, que é feito e aceito por livre e expontânea vontade.

Falando do modo mais simplista, mais viceral.

Deixa-se morrer para viver novamente uma vida totalmente diferente da que se tinha quando ele,o Amor, não fazia parte dela.

O renascimento.


Exagerada? Um pouco.Gosto de dar um toque operístico a esse tema.
Até porque amor, crueldade, loucura, paixão, drama, lágrimas, desejo... tudo faz parte de um bom Libreto de Ópera.


O ato da caça por si só já é excitante, viciante.



Aí vem o "abate".O Grand Finale!


E quando menos esperamos estamos banhados em sangue, doando nossas vidas a outro(a), o verdadeiro sacrifício humano.





E então... o final derradeiro, nos comemos vivos, literalmente.



















 
 
 
 

Postar um comentário 7 comentários:

Dilberto L. Rosa disse...

Que visceral antropofagia sobre o amor... Acho que é um pouco disso mesmo: pena quando o sacrifício fica preso de uma lado só, dependurado em carne viva e pingando, sem ninguém para ver aquela Ópera dolorosa... Abração!

14 de março de 2010 12:38

Érica disse...

Essa percepção de um amor que rasga, que despedaça sem medo, sem dó e a maneira que o texto segue, ao mesmo tempo que me faz fransir a testa, tensa, traz algo de sagrado com esse "poder" dilacerar corações desavisados. Como ver o todo além das partes, holístico. Gostei demais.
Beijos!

15 de março de 2010 09:46

tossan disse...

Eu sei disso. Mudar e não ser mudado, mudar e não esquecer de mim mesmo nem pelo amor mesmo que eu perca. Ótimo texto lá do fundinho da alma. Beijo

15 de março de 2010 16:20

Sun disse...

Renascimento. Renovação. Recuperação. Redescoberta. Reinicio.
Somos todos pequenas fénix, meu bem, está no nosso sangue a necessidade de nos renovarmos; mudarmos o rumo; lavarmos a alma.

Tudo isso faz tão bem.

Um beijo amore..

15 de março de 2010 17:27

Tata disse...

ADOOOOOROOOO!!!!

Vc sabe q eu adoro esse seu jeito passional de escrever, meio Nelson Roguiguiano.

PERFEITO!

O Gran finalle....dele a gente nunca escapa!! E na verdade até aguarda ansiosamente por isso! Rs

bjinhos lindaaa!

17 de março de 2010 16:26

Léo Santos disse...

Ah! Isso aí é verdade mesmo! Tem camarada que tá só pelo abate... Não escolhe muito, só vai abatendo! Tem bruxo aí que não se contenta com uma presa só, tem que ser no mínimo de duas pra cima! É uma cadeia alimentar! Canibalismo puro! Coisa de louco!

Um abraço!

19 de março de 2010 15:31

Bia Maia disse...

Renatinha linda!

Mas eu AMO este seu blog!AMO como você escreve!

"E então... o final derradeiro, nos comemos vivos, literalmente."

O amor é mesmo uma loucura, uma fome, uma sede, que as vezes chega a dar medo!

Mas eu VIVO e AMO!

beijos e lindo final de semana!

Bia

26 de março de 2010 15:35

Postar um comentário